Perguntas Frequentes

Mastopexia (Levantamento mamário)

P: Tenho medo de morrer durante uma cirurgia. Há risco na cirurgia?
R: O risco não é maior nem menor do que qualquer outra cirurgia eletiva. O risco de ocorrerem eventos adversos é parte inerente à vida, presente em algumas profissões, viagens de avião ou automóvel e à alguns estilos de vida. O importante em qualquer ato cirúrgico é adotar medidas para reduzir ao máximo estes riscos.

P: Qual é o tipo de anestesia?
R: Anestesia geral.

P: A cirurgia de mastopexia deixa cicatrizes?
R: Toda a cirurgia tem cicatriz. As cicatrizes passam por algumas fases até atingirem a fase final de maturação: Período imediato: vai até o 30º dia e tem bom aspecto. Alguns casos apresentam discreta reação aos pontos ou ao curativo. Período mediato: vai do 30º dia até o 12º mês. Nesta fase haverá espessamento natural da cicatriz e mudança na sua tonalidade, passando de “vermelho” para o “marrom” até ir, aos poucos, clareando. Recomenda-se evitar a exposição solar e acompanhamento. Período tardio: vai do 12º ao 18º mês. Nesta fase, a cicatriz começa a tornar-se mais clara e menos consistente, atingindo o seu aspecto definitivo. No entanto, nunca podemos dar garantias quanto à qualidade das cicatrizes, pois a cicatrização depende de fatores próprios inerentes à cada paciente.

P: Onde se localizam as cicatrizes?
R: Normalmente existem cicatrizes ao redor da aréola, na parte inferior da mama e no sulco submamário. Aquela situada ao redor da aréola costuma ficar disfarçada devido à transição de cor entre a aréola e a pele normal. A extensão da cicatriz no sulco vai depender da quantidade de pele à ser retirada.

P: Ouvi dizer que algumas pacientes ficam com cicatrizes muito visíveis. Por que isso acontece?
R: Alguns pacientes podem apresentar uma evolução menos favorável da sua cicatriz. De um modo geral, a maioria dos pacientes tem cicatrizes de boa qualidade, mas alguns fatores aumentam o risco de se desenvolver uma cicatriz hipertrófica ou queloidiana, à saber: indivíduos de pele negra; presença de cicatrizes prévias hipertróficas/queloidianas; história familiar.

P: Como ficarão minhas novas mamas, em relação ao tamanho e consistência?
R: As mamas deverão ter a consistência melhorada após a cirurgia. O tamanho deverá permanecer semelhante ou, até mesmo, menor. A mastopexia não aumenta o tamanho e nem preenche significativamente a porção superior das suas mamas. Caso queira mamas maiores, mais cheias, considere combinar com a inclusão de próteses de silicone.

P: Em quanto tempo terei o resultado definitivo?
R: As “novas mamas” passam por vários períodos evolutivos, em relação à sua forma até que o resultado final seja atingido: Período imediato: Vai até o 30º dia. Neste período, apesar das mamas apresentarem-se com seu aspecto bem melhorado, sua forma ainda está aquém do resultado final, que se modificará com o passar do tempo. Período mediato: Vai do 30º dia até o 6º mês. Neste período, a mama começa a apresentar uma evolução que tende à forma definitiva o que ocorrerá após o 6º mês. Costuma haver uma redução/achatamento na parte superior da mama e um arredondamento na parte mais inferior dela. Poderão ocorrer, neste período, um aumento ou diminuição na sensibilidade do mamilo. Período tardio: Vai do 6º ao 12º mês. É o período em que a mama atinge a sua forma definitiva (cicatriz, forma, consistência, volume, sensibilidade). É nesta fase que devemos comparar fotograficamente o pré e o pós-operatório. O equilíbrio entre as mamas pode variar de caso para caso.

P: No caso de uma gravidez, a forma obtida pode ficar prejudicada?
R: sim. A gravidez, a lactação e a amamentação costumam alterar a forma das mamas.

P: A cirurgia pode atrapalhar a amamentação?
R: Raramente. Nos casos de mamas muito grandes, que foram reduzidas acentuadamente, a lactação e a amamentacão poderão ficar prejudicadas. Em casos de pequenas e médias reduções a lactação e a amamentação poderão ser preservadas. Algumas pacientes poderão apresentar diminuição na sensibilidade dos mamilos, que podem prejudicar o ato de amamentar.

P: Quanto tempo dura a cirurgia?
R: O tempo varia de 3 a 5 horas, podendo ser ultrapassado em alguns casos. Entretanto, o tempo de cirurgia não deve ser confundido com o tempo de permanência no centro cirúrgico, pois esta permanência inclui a preparação anestésica e recuperação pós-operatória.

P: Qual o período de internação?
R: Habitualmente 1 dia.

P: O pós-operatório é doloroso?
R: geralmente não. Uma mamaplastia de evolução normal não deve apresentar dor importante e costuma ser bem controlada com a utilização de analgésicos e anti-inflamatórios.

P: Quando são retirados os pontos?
R: A partir do 60 – 7° dia e em até 21 dias.

P: Terei que ficar com dreno?
R: não

P: Quando tomarei um banho completo?
R: habitualmente no terceiro dia após a cirurgia.

P: Terei que usar um sutiã específico? Por quanto tempo?
R: sim, por cerca de 1 mês.

P: Em quanto tempo poderei tomar Sol?
R: deve-se evitar a exposição das cicatrizes ao Sol por, no mínimo, 6 meses. Além da proteção física, deve ser usado nas cicatrizes um protetor solar com FPS > 50. As áreas atingidas pela cirurgia não devem ser expostas ao Sol enquanto durarem as manchas roxas.

P: Quando poderei retornar aos meus exercícios?
R: Depende do tipo de exercícios. Aqueles relativos aos membros inferiores poderão ser reiniciados entre 20-30 dias, evitando-se o “alto impacto”. Os exercícios que envolvam o tórax, geralmente devem aguardar cerca de 45-60 dias.

P: As mamas podem crecer novamente?
R: sim, isso pode ocorrer caso você ganhe peso após a cirurgia.

P: As mamas podem “cair” novamente?
R: sim, pois continuaremos sempre à ser atraídos para o centro da Terra.